Destinos Europa Itália Capri

Capri, a ilha das cigarras

TextoFotosHumberto Lopes09/08/2006

O cenário é mediterrânico e o charme, nada indiscreto, desenha-se com as tintas mais eloquentes da frivolidade europeia. Tiranos, poetas, dandies, burgueses, aristocratas decadentes e, até, turistas de um dia, fazem parte da história da ilha de Capri, no sul da Itália.

A beleza serena de Capri

Capri é uma ilha bizarra. A sua beleza serena, dócil e susceptível de despertar sentimentos contraditórios, parece assumir a condição de presente envenenado. Tal como sucede com certos seres a quem a Natureza concedeu determinados dons e que não podem a fugir a um destino que o tempo se encarregará de modelar astuciosamente, também Capri floresceu às mãos de um desígnio nascido desde tempos primitivos.

Capri é bela; dir-se-á que padece de uma beleza que convida a uma postura meramente contemplativa; e, todavia, ninguém arriscará a sentença de que estamos perante uma beleza inútil ou estéril. Mais: apesar das reviravoltas da História, Capri continua bela e constante, dois adjectivos que se dão, aparentemente, como o azeite e água.

A fortuna, como escrevia Simónides, poeta grego do séc. V a.C., pode mudar “rápida como o volver de asas de uma mosca”; mas não para Capri, uma ilha que pelo menos desde os idos remotos do Império Romano continua a ser destino de milhares e milhares de viajantes, cada um deles atraído pelos mais diversos motivos, mas todos, provavelmente, em busca subconsciente de uma certa ideia de beleza idílica.

Arco Naturale na ilha de Capri, Itália

Arco Naturale na ilha de Capri, Itália

Tibério deveria ser ouvido nesta história. O que sabemos - e teremos que nos contentar com a mediação dos cronistas - é que o cruel imperador se enamorou um dia da ilha.

A luz transparente e embriagada de tanto azul, a vegetação exuberante que mistura inesperadamente espécies mediterrânicas e tropicais, as suaves brisas marítimas que sopram como toadas de sereias, o murmúrio das vagas que se desfazem languidamente ao encontro das falésias, os cumes elevados onde se alcantilam varandas naturais sobre o Mar Tirreno e os golfos de Sorrento e de Nápoles, com a costa amalfitana a sorrir ao fundo, eis o cenário que adoçou (relativamente...) a pedra do coração imperial.

Augusto deu com ilha por acaso, quando regressava de uma campanha, em 29 a. C., e logo a anexou ao Império. Mas foi Tibério, a cuja desumanidade as crónicas de Tácito e de Suetónio não deram tréguas, que mais se deixou tocar pelos encantos de Capri, nela mandando construir doze magníficas villas e inaugurando uma longa tradição de vilegiaturas de luxo na antiga colónia grega.

O déspota acabaria por quase fazer de Capri a capital do império, ali instalando o centro de governação de um imenso território. Os seus últimos anos de vida, aliás, foram passados na ilha: terá Tibério procurado em Capri bálsamo para um remorso pelas intermináveis crueldades que marcaram o seu consulado?

Capri e Anacapri, distintas faces da mesma ilha

Jardim de Augusto, Capri, Itália

Jardim de Augusto, Capri, Itália

Capri e Anacapri: as duas povoações da ilha parecem ser outra dimensão dos infinitos paradoxos que enformam a essência da ilha. A primeira é símbolo de um cosmopolitismo ímpar, de uma vertigem que durante o dia quase atinge o insuportável, com milhares de turistas desembarcando no Porto de Marina Grande para a visita breve de um dia à ilha.

Mas as noites de Capri são o perfeito oposto e o antídoto: deambular por ruelas periféricas como a Via Traghara, tendo por única música as sonatas de noctívagas cigarras e o rumor côncavo do mar, onde mal se adivinham as sombras dos emblemáticos faraglioni, é uma experiência que mais parece uma súbita viagem no tempo até ao regaço de um éden perdido.

Anacapri é quase o anagrama urbano de Capri; situada no lado ocidental da ilha, a poucos minutos de Capri, é (já foi mais) uma cidadezinha bem mais reservada do aluvião turístico que diariamente desembarca na ilha.

Jardins luxuriantes rodeiam terraços luminosos de cal e de sol, casas mediterrânicas sucedem-se ao longo de plácidas ruelas imersas aqui e ali numa sombra meiga, o toque rural das hortas e das vinhas prossegue, enfim, uma convivência amigável e secular com as velhas villas romanas que os patrícios da Cidade Eterna aí edificaram.

A magnífica Villa San Michelle

Não muito longe da Via Orlandi, a meio caminho dos Banhos de Tibério, ergue-se a magnífica Villa San Michelle, antiga residência do médico e humanista sueco Axel Munthe. Henry James, numa mais do que provável ambígua expressão, descreveu-a como “one of the most fantastic beauty, poetry and inutility that I have ever seen clustered together”.

Ilha de Capri

Ilha de Capri

Não menos singulares são os caprichos naturais de que a ilha é invulgarmente pródiga: o Salto de Tibério, uma escarpa a pique sobre o mar, abismo providencial de onde o imperador fazia precipitar inimigos e caídos em desgraça, o Arco Naturale, uma bizarra formação rochosa em forma de arco, ou a Grotta Azzurra, famosa gruta marinha cuja água se tinge, por acção de uma extraordinária e feliz refracção da luz, de um fantástico azul, como se uma fortíssima iluminação de néon irrompesse do fundo do mar.

Apesar das contingências vertiginosas, cada vez mais imprevisíveis, de um mundo em permanente mutação e cada vez mais pequeno - com as óbvias consequências em termos de volubilidade das modas turísticas -, Capri está longe ter esgotado o seu feitiço ou de se ver ultrapassada na sua aura de sofisticado paraíso de lazer. Os anos 50 e 60 foram tempos de glória; sobreveio depois alguma discrição, apenas isso.

Tal com nos tempos em que a ilha era lugar de vilegiatura dos senhores de um dos maiores impérios que o mundo conheceu, as cigarras ali continuam, sem qualquer parcimónia, a perfumar a noite mediterrânica com os seus orgíacos cantos.

Capri, trilhos e arquitecturas

Quem espere - ou receie - encontrar em Capri uma estância turística de luxo profanada pelo turismo de massas não andará longe da verdade. Mas este não é, felizmente, o único retrato possível - nem o mais justo, porventura - de Capri.

Casa de Curzio Malaparte na ilha de Capri, cenário de um filme de Jean-Luc Godard

Casa de Curzio Malaparte na ilha de Capri, cenário de um filme de Jean-Luc Godard

Mesmo o viajante mais avisado - ou com a bagagem a transbordar de reservas - não deixará de colher algumas surpresas; ainda que de pormenor, podem representar para o retrato de Capri o mesmo que as peças de um puzzle.

Num recanto do Jardim de Augusto encontramos, por exemplo, uma homenagem da comuna de Capri a Lenine, um dos muitos personagens que passaram pela ilha. Não é mais do que um austero busto do célebre líder revolucionário acompanhado de uma dedicatória solene; a dois passos, sobre um pinheiro, uma inscrição cautelosa lavrada em letra vermelha: "pericolo de incendio"...

Toda a ilha convida a longas caminhadas (há uma rede de óptimos trilhos), a melhor forma de descobrir não apenas os cenários naturais de timbre mediterrânico como também notáveis realizações arquitectónicas, desde as villas de Tibério - nomeadamente a luminosa Villa Jovis, junto ao Monte Tibério - até à casa de Curzio Malaparte, desenhada pelo arquitecto Adalberto Libera. Cravada sobre um pequeno promontório rochoso, foi cenário, em 1963, da rodagem de «O Desprezo», de Godard, filme adaptado do romance homónimo de Moravia, cuja acção decorre parcialmente em Capri.

Junto ao trilho que desce para a Marina Piccola, ilha de Capri, Itália

Junto ao trilho que desce para a Marina Piccola, ilha de Capri, Itália

Outra preciosidade arquitectónica é o Hotel Punta Tragara, uma antiga villa construída segundo traço de Le Corbusier. No final da II Guerra Mundial ali se realizou uma cimeira entre os poderes vencedores, Eisenhower e Churchill.

De visita absolutamente imprescindível é a Villa San Michele, em Anacapri. A villa está situada sobre uma colina vizinha dos Banhos de Tibério, detendo um excelente panorama de Capri, da península de Sorrento, das ilhas de Ischia e Procida e de todo o Golfo de Nápoles, com o vulto sombrio do Vesúvio ao fundo.

A Villa San Michele, hoje convertida por vontade de Axel Munthe numa fundação promotora de relações culturais entre a Suécia e a Itália, foi edificada sobre as ruínas de uma velha vila imperial romana e essa herança é uma das marcas mais vísiveis na concepção da casa, que alberga também esplêndido mobiliário renascentista e uma colecção de esculturas gregas e romanas.



Piazza Umberto I, Capri

Piazza Umberto I, Capri

Cafés e esplanadas em Capri

Em Capri, em todos os recantos se plantam esplanadas

Guia de viagens à ilha de Capri

Este é um guia prático para viagens à ilha de Capri, localizada no golfo de Nápoles, com informações sobre a melhor época para visitar, como chegar, pontos turísticos, os melhores hotéis da ilha e sugestões de actividades, nomeadamente nas homónima cidade de Capri.

Ilha de Capri Como chegar

Como chegar à ilha de Capri

voos diários entre Lisboa e Roma e ligações frequentes da capital italiana para Nápoles. A partir de Nápoles há navegação regular para Capri (ferryboat e hydrofoil), com saídas mais frequentes durante a época estival. Os barcos partem do Molo Beverello, perto da Piazza del Municipio. Uma alternativa é tomar linha férrea Circumvesuviana, que circula ao longo da costa até Sorrento e daí apanhar um dos muitos barcos que partem para Capri. Há ligações internas em mini-autocarro entre Capri e Anacapri e outros pontos da ilha como Marina Piccola e a Grotta Azzurra, bem como serviços de táxi.

Pesquisar voos

Onde ficar

Hotéis em Capri

Aqui ficam algumas sugestões de hotéis em Capri: Hotel Calypso, de quatro estrelas, Via I. Cerio 7; Hotel Punta Tragara, de quatro estrelas, Via Tragara 51; Hotel Capri, três estrelas, Via Roma 17; Hotel Nautilus, três estrelas, Via Marina Piccola 98; Hotel La Reginella, duas estrelas, Via Matermania 10; Hotel La Tosca, uma estrela, Via D. Birago 12.

Pesquisar hotéis em Capri

Restaurantes

Gastronomia

No porto de Marina Grande e em Anacapri é possível encontrar restaurantes com preços acessíveis que servem gastronomia da ilha, que inclui muitas especialidades marítimas, nomeadamente peixe grelhado; os locais orgulham-se igualmente da sua mozzarella, do raviolli alla caprese, onde brilham os queijos locais, e do agnolotti, pasta com espinafres e ricotta. O vinho branco de Capri é um vinho leve, especialmente vocacionado para acompanhar peixe ou saladas.

Icon seguro de viagem

Seguro de viagem

O seguro de viagem da World Nomads oferece uma das mais completa e confiáveis apólices de seguro do mercado. São os seguros recomendados por entidades prestigiadas como a Lonely Planet, Footprint, Hostelworld e National Geographic.

Comprar seguro de viagem

Informações úteis na internet

Na Internet

O site oficial do Turismo de Itália oferece informação atualizada sobre as principais atrações turísticas das distintas regiões de Itália, incluindo, naturalmente, as ilhas do golfo de Nápoles, como Capri.